Continuo a preferir correr... - EMdurance Runner
210
post-template-default,single,single-post,postid-210,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,qode-content-sidebar-responsive,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-13.3,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.5,vc_responsive

Continuo a preferir correr…

Antes de começar nisto das corridas, experimentei as bicicletas. Na
altura acabei por desistir porque ao fim de duas semanas já não me
conseguia sentar onde quer que fosse, tais eram as dores no períneo.
Isto foi há 8 anos. Desde então não mais andei de bicicleta.
Até à
segunda-feira passada, dia em que decidi dar mais uma oportunidade. Mas
agora, em vez de andar pelas planícies alentejanas, andei pela cidade,
cheia de semáforos e carros e peões. Foi uma volta pequena, 15kms em
1h34m (já fiz corridas desta distância mais rápidas), mas o suficiente
para perceber que andar de bicicleta na cidade não é tarefa fácil…. se
se cumprir todas as regras.
Saí da Alta de Lisboa pela ciclovia
que a liga à Avenida do Brasil, desci em direção ao Campo Grande, onde
apanhei a ciclovia que segue pela Avenida da República e pela Avenida
Fontes Pereira de Melo. Desci até à Rotunda do Marquês, que contornei e
subi pela Avenida Duque de Loulé. O caminho pela Duque de Loulé até ao
Saldanha foi pela estrada, uma vez que ciclovia já não existe e o
passeio é para os peões. No Saldanha voltei a entrar na ciclovia e
regressei a casa por onde tinha vindo.
Algumas considerações:
– as ciclovias são constantemente interrompidas por obras ou por passeio,
– há zonas onde os peões têm de andar na ciclovia porque não há outro espaço para circularem,
– há automobilistas que há falta de passeio, estacionam na ciclovia,
– há automobilistas que abrem as portas sem olharem se vem alguém a passar,
– carregar no botão dos semáforos é o mesmo que não o fazer, pois numa
zona com pouco movimento, esperei 5 minutos para atravessar duas vias,
uma vez que tinha de carregar em dois semáforos seguidos,
– há pessoas que seguem completamente alheias ao mundo na ciclovia (tive de gritar cuidado uma vez),
– nem todos os que andam de bicicleta respeitam as regras de trânsito,
– desconfio que faço este percurso mais rápido a correr.
– continuo a ter um períneo muito sensível.
Apesar de andar de bicicleta não ser a coisa que mais me agrada, muito
menos numa vertente citadina, é algo que vou incorporar nos meus treinos
para conseguir atingir os pequenos objetivos a que me proponho em 2018.
Próxima etapa: comprar uns calções almofadados!

O meu equipamento de bicicleta é o de corrida… pois…

Partilha com o mundo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
No Comments

Post A Comment