A entrada nos trilhos. - EMdurance Runner
307
post-template-default,single,single-post,postid-307,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,qode-content-sidebar-responsive,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-13.3,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.5,vc_responsive

A entrada nos trilhos.

Apesar do nome do blogue ser este, a verdade é que não estou a começar do fundo do sofá.
Já há algum tempo que saí do sofá e comecei o meu caminho nisto das corridas. Mas comecei na estrada, e o alcatrão foi o meu companheiro durante longos kms. Fiz muitas corridas de 10kms, algumas meias-maratonas e 2 maratonas, oficiais, fora os milhares de kms em treinos. E foi depois de completar a minha segunda maratona – a segunda no espaço de um mês, Lisboa e Porto) que percebi que agora precisava de mais, de um desafio, não que mais longo, mas pelo menos diferente. E o trail surgiu quase de imediato, como sendo a melhor opção.
Entretanto, já participei num trail oficial (15kms) e fiz uns treinos mais puxados (em São João das Lampas e em Monsanto). Também já me inscrevi em várias corridas e, das próximas 8, apenas uma é de estrada.
Sou sincero, acho que a evolução natural de um corredor é esta: começar na estrada, percursos curtos, evoluir até sentir o bicho da Maratona, correr uma maratona e depois querer mais do que isso. E antes das aventuras nas ultramaratonas, o trail parece-me a opção natural e lógica. Em boa verdade, já sentia a monotonia da estrada, sempre os mesmos percursos, o mesmo piso, ter de parar em semáforos e passadeiras, ter que levar com o fumo dos escapes dos carros e motas. No trilho, tudo é diferente, nada é monótono. Aquela estrada que era de terra batida num sábado, é um pequeno rio no domingo, aquele caminho que é sempre plano, rapidamente se transforma numa parede de escalada, comemos mosquitos, sujamo-nos (não adoramos ser crianças?!) da cabeça aos pés, caímos e arranhamo-nos nos braços e nas pernas…
Estou a adorar esta incursãoe espero ter aqui um companheiro por muito tempo.
Não vou deixar o alcatrão. A estrada continua a ser aquele primeiro amor que deixamos porque já não nos deixa 100% felizes, mas com o qual ainda gostamos de sair para meter a conversa em dia e reviver histórias do passado. Apenas me vou dedicar mais a esta nova paixão.
O blogue ainda está em construção. Tenciono ter um calendário das minhas provas, arranjar forma de deixar aqui os meus GPX dos treinos e colocar aqui alguns blogues de referência nisto da corrida.

Partilha com o mundo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
No Comments

Post A Comment