3º Leiria X-Mas Night Trail - Report por Bearded Runner - EMdurance Runner
305
post-template-default,single,single-post,postid-305,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,qode-content-sidebar-responsive,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-13.3,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.5,vc_responsive

3º Leiria X-Mas Night Trail – Report por Bearded Runner

No passado sábado, dia 13 de dezembro, fiz, com toda a certeza, a prova mais dura e dificil até hoje: o 3º Leiria X-Mas Night Trail.
30kms pelo pinhal de Leiria e arredores não foram, de todo, “pêra doce”.
Sei que ainda sou uma velinha nestas coisas (maçarico não, porque maçarico remete-me para algo com uma chama forte, e a minha ainda está a começar a acender), mas nem mesmo as duas maratonas de estrada num mês me custaram assim tanto. Sou sincero, pensei que o percurso fosse mais fácil, mas ao km 5 já eu sabia que teria que me mentalizar que não iria melhorar.
Assim, tomei uma decisão de não apertar muito comigo no inicio. Por norma, tenho tendência a acelerar mais no inicio das provas, o que depois tem repercussões nos finais das corridas mais longas. Fui indo a um ritmo confortável, ora atrás de um atleta, ora atrás de outro, sempre certinho e evitando ao máximo parar de correr, só mesmo quando as subidas assim o obrigaram. O terreno era bastante complicado, com muita lama, poças de água, zonas extremamente escorregadias, uma zona de rappel, mais lama, mais subidas, escadas, escadarias, muros para saltar, calçada, zonas em construção e escuro, muito escuro pelos trilhos daquele pinhal! O que a noite teve de belo, também teve de assutador. Nunca tinha corrido de noite, ainda para mais em trilhos num local desconhecido e sozinho (porque isto de se correr lento e não haver muitos atletas, tem destas coisas). Correr só com a luz do frontal, procurar as marcações, ouvir o meu chapinhar, ver o vapor da minha respiração, ouvir barulhos ao longe, não ouvir nada de nada, nem mesmo os meus passos, foi uma experiência completamente nova e deliciosa.
Durante a prova tive dores, muitas dores, câimbras como nunca tinha tido. Em lances de escadas de 50 degraus, tinha que parar duas ou três vezes para os músculos irem ao sitio. Comi que nem um pequeno alarve nos abastecimentos de sólidos (mais no último, onde foi Pastéis de Nata, chocolate, tostas com marmelada, sumos, água, amendoins, bananas), comi porque estava mesmo cheio de fome. Afinal de contas, ainda me faltavam correr 4kms e já estava a correr há mais de 4 horas. Mas nunca desisti, continuei sempre com o meu objetivo e ao fim de 4h57’56”, e de cerca de 1000m de D+, cortei a tão desejada meta, claro está, de braços no ar e sorriso na cara!
Sobre a organização só posso mesmo dizer que foi espetacular. Desde a entrega dos dorsais antes da prova, às explicações dadas, ao abastecimentos, sinalização, apoios quando tinhamos de atravessar a estrada (em conjunto com agentes da autoridade), ao apoio que nos davam quando passávamos por eles. Um percurso excelente, repleto de diferentes pisos e desafios, vistas lindas sobre a serra e sobre a cidade de Leiria. Uma prova que certamente, quererei repetir numa próxima edição, quem sabe, mais bem treinado e preparado para baixar o tempo.

Um amigo esteve 2 minutos para me tirar uma foto
e isto foi o melhor que conseguiu. Foi também a
minha primeira corrida com os Pernas de Gafanhoto ao peito

Eu, cheio de medo do escuro e dos gambozinos.

Vistas destas sabem sempre bem e merecem uma pausa para foto.

O final: sapatos e roupa cheios de água e lama, dorsal destruido (não
se percebe bem, mas o meu nome era “Ed the Bearded”) e o relógio
a marcar o meu maior tempo de corrida até hoje,
Para que conste, mesmo não sendo importante, ainda
ficaram 15 pessoas atrás de mim!

Partilha com o mundo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
No Comments

Post A Comment